Início > Inclassificáveis > Um “Meme” no Idéias e etc

Um “Meme” no Idéias e etc


Seguinte: a Rakky, querida amiga desse blogueiro, convidou o Idéias e etc para participar de uma brincadeira chamada “Meme”. Pelo que eu pude entender, é como se fosse uma corrente entre blogs. Gostei da iniciativa, até porque este espaço está num grande silêncio, mais por preguiça do que por qualquer outra coisa. Eis as regras do jogo:

1) Linkar a pessoa que te indicou.
2) Escrever as regras do meme em seu blog.
3) Contar 5 coisas aleatórias sobre você.
4) Indicar mais 5 pessoas e colocar os links no final do post.
5) Deixe a pessoa saber que você a indicou, deixando um comentário para ela.
6) Deixe os indicados saberem quando você publicar seu post.

Minhas aleatoriedades.

01 – Leio (quase) tudo. Eu confesso: sou um leitor compulsivo. Uma das coisas que eu mais gosto de fazer na vida é ler um bom livro, ou nem precisa ser tão bão assim. Ás vezes, uma boa “literatura de aeroporto” pode ser um excelente entretenimento. Já li todos os Dan Brown, apesar desse autor utilizar o mesmo esquema em todos os seus livros: um mistério-perseguições por lugares inóspitos-desfecho “surpreendente”-final feliz. Sim, leitor, desculpa estragar sua surpresa, mas os mocinhos sempre saem ilesos na obra de Brown. Adoro também Agatha Christie e Sherlock Holmes. Mas, se nem tudo que reluz é ouro, nem tudo que está escrito é do meu agrado. Algumas coisas eu não gosto. São elas: livros gerenciais, do tipo “Quem mexeu no meu queijo?” ou “Como trabalhar para um idiota”; livros espíritas da Zibia Gasparetto, embora, é importante registrar, tenho respeito por todas as religiões ou credos. Já o Paulo Coelho, eu não li e não gostei: tentei começar a ler “O alquimista”, mas não passei da página nove. Porém, o Paul Rabbit deve ter mesmo poderes de alquimista: ele conseguiu transformar baixa literatura em ouro.

02 – Ainda vou escrever um romance policial. Dizem que todo homem deve plantar uma árvore, ter um filho e escrever um livro. Ainda não plantei uma árvore, e o meu Junior é um projeto para longo prazo, mas já pensei muito em escrever um livro. Algumas idéias de romance nasceram, se desenvolveram, mas nunca foram postas no papel. Quando era moleque, cheguei a escrever um pequeno livro, com minhas próprias ilustrações, porém o mundo não terá acesso a essa obra literária, porque o seu destino é ignorado. Mas isso não me fez desistir do projeto de escrever ficção. Pelo contrário. Agora, estou bolando um romance policial. Ainda não escrevi uma linha, porém já tenho os nomes de alguns personagens, quem vai morrer e o assassino. A história está bem desenvolvida na minha cabeça insana… Quem sabe em 2009 eu não o coloque no papel? Antes vou escrever uns contos, pois acho muito complicado alguém se aventurar pelo universo da ficção direto com um romance. Ainda mais um policial, que é extremamente trabalhoso…

03- Odeio a Revista Veja. Quem é leitor habitual desse blog, ou me conhece pessoalmente já sabe disso faz tempo. Mas eu quero aproveitar essa oportunidade para esclarecer melhor essa minha questão contra a revista da Abril. Em primeiro lugar, não é um problema apenas de discordância ideológica. Claro, esse fator pesa na minha avaliação sobre a revista, mas o meu problema principal é jornalístico. Suas matérias são completamente inviesadas e não permitem uma visão plural dos assuntos. É quase um julgamento definitivo, imutável. E nós sabemos muito bem que a verdade não existe, assim como a imparcialidade, o Papai Noel e etc e tal. Isso, sem levar em conta os seus colunistas, que representa o submundo do jornalismo tupiniquim, com algumas excessões honrosas: Millôr Fernandes (Já teve melhores dias…), Walcir Carrasco, Roberto Pompeu de Toledo (esse quando está inspirado…) e Ivan Angelo. O resto eu quero distância!Assim, como da Veja como um todo.

04 – Eu era sempre o último a ser escolhido na educação física. Talvez, esse fato explique, em parte, o meu atual sedentarismo. Não chega a ser um trauma juvenil, até porque, convenhamos, eu sempre fui muito pouco afeito aos exercicíos físicos. Na verdade, é uma lembrança engraçada dos meus tempos de escola. Eu era o último a ser escolhido e isso independia do esporte, seja volei, basquete ou futebol. Nesse último, eu atuava como zagueiro com a firme recomendação dos meus colegas de time:

– Quando a bola vier, você chuta. Não importa para onde!

Posso assegurar que eu sempre fui muito obediente taticamente.

05 – Já fiz alguns cursos estranhos como caligrafia e Kumon. E posso adiantar que eles não surtiram tanto efeito assim. A minha letra não é nenhuma maravilha, mas não chega a ser um hieroglifo. Eu, pelo menos, entendo tudo o que escrevo. Os outros é que não sei se conseguem entender alguma coisa. O curso de caligrafia eu fiz com um senhor chamado Franco, que, certa vez, concedeu uma entrevista para o Fantástico, da TV Globo. Quanto ao Kumon, ele não é o que você, leitor de mente pernóstica, está pensando. Trata-se de um curso, cujo objetivo é melhorar o raciocínio matemático. Foi criado por um japonês, de nome Kumon, para ajudar o seu filho com dificuldades em matemática. A metodologia, pelos vistos, ajudou muito o Kumon jr e os outros pais ficaram interessados no método. O negócio prosperou e o Kumon se espalhou pelo mundo (sem trocadilho…). O método é mais ou menos assim: você vai numa unidade Kumon e recebe uma batelada de exercícios para fazer. Começa das operações mais elementares (somar, dividir, multiplicar…) e o término depende muito do seu amor pelas ciências exatas. Uma coisa é interessante: o curso é individualizado, ou seja, o seu ritmo independe totalmente do ritmo dos seus colegas de classe. Lembro muito bem que tinha gente na minha turma que já estava fazendo exercícios de nível universitário, enquanto este escriba estava ás voltas com o logarítimo (toc, toc, toc, isola!) Em tempo: o Kumon também oferece cursos de português e de… …japonês! Aqui o site do Kumon para maiores detalhes.

Importante: este não é um post patrocinado.

E os meus escolhidos para também fazer um Meme são: Samara Saliba, Vinicius Mendes, Eduardo Vasconcelos, Juju Souto Maior e Jaqueline Pontes.

Divirtam-se!

Anúncios
Categorias:Inclassificáveis
  1. 30/01/2009 às 6:16 pm

    ah o paul rabbit já do dicionário fradinesco [:P]
    olha , eu vou tentar fazer esse treco e agradeço pelo convite, e é interessante q vc conhece um pouca da história dos donos do blog …
    (é a hora dos podres, daqui a pouco solto os meus…)

  2. 20/01/2009 às 11:54 am

    ADOREI, principalmente a parte do Paul Rabbit!! uahuahauahha

  1. No trackbacks yet.

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s

%d blogueiros gostam disto: